A saúde geral e bucal da mulher !

mulher-escova-de-dentes

No caso das mulheres,  estudos relaciona as enfermidades gengivais com uma variedade de problemas que afetam a saúde da mulher. Como a gengivite é uma infecção causada por bactérias, estas podem entrar na corrente sangüínea e tornar-se causa de outras complicações:

  • Problemas Cardíacos:Indivíduos com gengivite correm um risco maior de ter problemas cardíacos, com o dobro de possibilidade de sofrerem ataques fatais.
  • Derrame:Um estudo revelou a existência de uma relação causal entre infecções bucais e risco de derrame ou também conhecido como acidente vascular cerebral
  • Diabetes:Os diabéticos são mais propensos a terem gengivite e nestes indivíduos é mais difícil controlar o açúcar no sangue. A gengivite pode ser um fator de risco para o diabético, mesmo em indivíduos com açúcar controlado.
  • Problemas respiratórios:Bactérias que se desenvolvem na cavidade bucal podem chegar até os pulmões e causar doenças das vias respiratórias, tal como a pneumonia, especialmente em pessoas que têm gengivite.
  • Resultados da gestação: A gengivite podem estar mais propensas a partos prematuros ou terem bebês de menor peso ao nascer.

Como a gengivite em geral não dói, muitas mulheres só notam que têm o problema quando este já está em estado avançado. A melhor defesa é a cuidadosa higiene bucal diária com uma boa escovação e o uso de fio dental, e as consultas regulares com seu dentista.

Os requisitos relacionados à saúde bucal mudam com o passar do tempo?

A mulher tem necessidades especiais relacionadas à saúde bucal nas diversas fases da vida. As mudanças nos níveis de hormônio que ocorrem na puberdade, seguidas :

  • Menstruação— Algumas mulheres notam que sua gengiva incha e sangra antes da menstruação. Outras têm aftas ou inflamações da mucosa bucal. Estes sintomas geralmente desaparecem no início da menstruação.
  • Contraceptivos orais— A inflamação da gengiva é um dos efeitos colaterais mais comuns dos contraceptivos orais.
  • Gravidez— Estudos mostram que muitas mulheres grávidas têm gengivite quando a placa bacteriana se forma sobre os dentes e irrita a gengiva. Os sintomas são gengivas avermelhadas, inflamadas e com sangramento. O cuidado pré-natal é sempre extremamente importante
  • Menopausa— Os sintomas bucais experimentados durante este estágio na vida de uma mulher são gengiva avermelhada ou inflamada, desconforto, sensação de ardência, sensação de alteração do paladar e boca seca.
  • Osteoporose — Várias pesquisas sugerem a existência de uma relação entre a osteoporose e a perda óssea nos maxilares. Os pesquisadores sugerem que isto pode levar à perda de dentes por causa da provável diminuição da densidade dos ossos onde os dentes estão inseridos. Juntamente com a osteoporose, a doença periodontal acelera o processo de perda de estrutura óssea ao redor dos dentes.

Fonte : Colgate

Anúncios

Clareamento Dental !!!

Reese-Witherspoon-clareamento-dental

Alguns dentes tornam-se manchados naturalmente com o decorrer do tempo. O consumo de café, chá, sucos, vinho tinto, refrigerantes, alimentos com corantes ou fumo são geralmente os responsáveis pelo escurecimento dos dentes.

Basicamente, existem duas maneiras de se realizar o clareamento: em casa, sob orientação do dentista, através da aplicação de um gel clareador em uma moldeira confeccionada no consultório, durante duas semanas. A outra maneira é no consultório: o dentista aplica um gel clareador numa concentração maior em relação ao utilizado no método caseiro, ativando-o com o auxílio de um *‘Led’. Esse método é conhecido como clareamento a laser. O tratamento caseiro demora cerca de 14 dias, variando de acordo com o grau de escurecimento e do quanto se deseja clarear. Já o tratamento a laser é feito, geralmente, entre uma a três sessões.

O resultado final, tanto com uma técnica quanto com a outra, é o mesmo. No entanto, o clareamento a laser tem a vantagem de o paciente, em apenas uma sessão variando de duas a três , já sair com os dentes clareados. A comodidade é também um ponto positivo, já que não há necessidade do uso da moldeira por duas semanas. Mas a questão da segurança é definitiva na decisão da paciente, pois o gel da moldeira provoca uma grande sensibilidade dentária ao longo do uso. No clareamento a laser, a sensibilidade é mínima e sua duração é de, no máximo, 24 horas. Em nenhum dos dois tipos de clareamento a estrutura do dente é afetada.

Embora o hábito de fumar não impeça o clareamento dental, enquanto o paciente estiver em tratamento, deve-se evitar o cigarro e bebidas que contenham corantes.

Os dentes podem escurecer novamente, mas nunca como antes. O ideal é fazer uma manutenção após um ou dois anos, dependendo dos hábitos do paciente.

Clareamento dental: indicações e contraindicações

Qualquer pessoa pode fazer clareamento dental, desde que os dentes sejam íntegros ou sem muitas restaurações. O clareamento dental só é contraindicado para para grávidas, lactantes e pessoas que possuem retração de gengiva.

A razão pela qual o gel clareador é contraindicado na gravidez não está completamente elucidada. Porém, por precaução, não se faz clareamento e nem aplicação de flúor. O que se sabe, é que o clareamento pode provocar picos de hipersensibilidade nas primeiras horas após a aplicação. Em uma ‘pessoa normal’, isso não traz problema. Já na paciente grávida, a liberação de adrenalina pela presença de dor, pode ser prejudicial ao bebê.

A ingestão acidental de gel clareador e a possibilidade de parte desse gel passar para o bebê através do aleitamento materno, contraindicam o clareamento em lactantes.

A retração gengival expõe o colo do dente, área compreendida entre a raiz e a coroa. Essa área é sensível a alterações de temperatura e/ou a ingestão de doces, fenômeno conhecido como hipersensibilidade. O gel, em contato com o dente potencializa a hipersensibilidade. No entanto, nesse caso, há solução. No clareamento feito no consultório, o dentista tem total controle sobre a área onde o gel é aplicado. Evitando o contato do gel com o colo do dente, o clareamento torna-se seguro para pacientes com pequena retração gengival.

 

 

O que é uma boa higiene bucal?

 

 

Hálito puro e sorriso saudável é o resultado de uma boa higiene bucal. Isto é, com uma higiene bucal adequada:

 

  • Seus dentes ficam limpos e livres de resíduos alimentares;

 

  • A gengiva não sangra nem dói durante a escovação com o uso do fio dental;

 

  • O mau hálito deixa de ser um problema permanente.

 

Consulte o seu dentista caso sua gengiva doa ou sangre quando você escova os dentes ou usa fio dental, e principalmente se estiver passando por um problema de mau hálito. Essas manifestações podem ser a indicação da existência de um problema mais grave.

Seu dentista pode ensiná-lo a usar técnicas corretas de higiene bucal e indicar as áreas que exigem atenção extra durante a escovação e o uso do fio dental.

Como garantir uma boa higiene bucal?

Uma boa higiene bucal é uma das medidas mais importantes que você pode adotar para manter seus dentes e gengiva em ordem. Dentes saudáveis não só contribuem para que você tenha uma boa aparência, mas são também importantes para que você possa falar bem e mastigar corretamente os alimentos. Manter uma boca saudável é importante para o bem-estar geral das pessoas.

Os cuidados diários preventivos, tais como uma boa escovação e o uso correto do fio dental, ajudam a evitar que os problemas dentários se tornem mais graves. Devemos ter em mente que a prevenção é a maneira mais econômica, menos dolorida e menos preocupante de se cuidar da saúde bucal e que, ao se fazer prevenção, estamos evitando o tratamento de problemas que se tornariam graves.

 

Existem algumas medidas muito simples que cada um de nós pode tomar para diminuir significativamente o risco do desenvolvimento de cárie, gengivite e outros problemas bucais.

Essas medidas são:

 

  • Escovar bem os dentes no mínimo três vezes ao dia e usar fio dental diariamente.
  • Ingerir alimentos balanceados e evitar comer entre as principais refeições.
  • Usar produtos de higiene bucal, inclusive creme dental que contenha flúor.
  • Usar enxagüante bucal com flúor, caso seu dentista recomende
  • Garantir que crianças abaixo de 12 anos tomem água potável fluoretada ou suplementos de flúor, se habitarem regiões onde não haja flúor na água.

 

Técnicas corretas de escovação:

 

  • Coloque a escova em um ângulo de 45 graus em relação à gengiva. Movimente a escova, afastando-a da gengiva.
  • Escove delicadamente as partes internas, externas e de mastigação de cada dente com movimentos curtos de trás para frente.
  • Com cuidado, escove a língua para remover bactérias e tornar seu hálito mais puro.

Uso correto do fio dental:

 

  • Use aproximadamente 40 centímetros de fio, deixando um pedaço livre entre os dedos;
  • Siga, com cuidado, as curvas dos dentes;
  • Assegure-se de limpar além da linha da gengiva, mas não force demasiado o fio contra a gengiva.

Fonte: Colgate Profissional

Dente Siso remover ou não?

Como os sisos normalmente despontam em uma idade que coincide com o início das responsabilidades da vida adulta, é inevitável: basta alguém dizer que arrancou o terceiro molar para ouvir a piada de que perdeu o juízo. A ironia é que dois estudos americanos sugerem que a falta de senso pode estar justamente em mantê-lo. Isso porque, sem acompanhamento e higiene adequados, esses dentes camuflam encrencas graves.

Embora a maioria só procure o dentista depois de sentir a dor provocada quando o siso rasga a gengiva, especialistas indicam que o melhor período para retirá-lo é entre os 15 e os 18 anos ou antes de ele irromper. Nessa faixa etária, a raiz não está completamente formada, tem cerca de dois terços, e o osso é mais maleável. A recuperação de um adolescente é mais rápida que a de um adulto. O ideal é fazer o monitoramento com radiografias a partir dos 15 anos, para avaliar o momento mais oportuno.

Os riscos de mantê-los se houver espaço suficiente para o dente se acomodar, é possível conviver com ele, mas assumindo o risco de encarar alguns dramas. Um panorama da encrenca que isso pode causar vem da Universidade de Cincinnati, nos Estados Unidos. Ali, um estudo avaliou sisos sem nenhum sinal de que algo estava errado e descobriu um grande número de casos de infecções silenciosas capazes de afetar a gengiva, a raiz e os ossos da face. Por isso, se a decisão for mantê-lo, é preciso fazer exames de imagem periódicos para detectar doenças antes de surgirem complicações.

Até porque a enrascada pode ir além da boca, como mostra outra pesquisa americana, da Universidade da Carolina do Norte. Feita em pacientes com o siso baqueado, ela constatou um aumento da proteína C-reativa, que indica a presença de inflamação no organismo. Essa molécula é diretamente relacionada a panes cardiovasculares, principalmente infartos e derrames.

A lista de fatores apontados por especialistas para sua retirada preventiva é considerável. Para começar, esse componente tardio da dentição gosta de nascer em posições inconvenientes e danificar os vizinhos, isso quando não se infiltra no osso. Ele vive também em constante movimentação angular. Quando está parcialmente erupcionado, fica exposto às bactérias que causam cáries e infecções. Existe ainda a probabilidade de aparecerem cistos e tumores em seu entorno.

Sem temer a cirurgia para os que tremem só de pensar na cadeira do dentista,  a operação é relativamente fácil, principalmente se for feita no momento adequado. O procedimento tem índice muito baixo de complicação, por isso vale a pena tirar logo esses dentes e ficar livre de problemas.

Utiliza-se a anestesia local, e um tranquilizante é bem-vindo. Ele ajuda o paciente a relaxar, mas não impede que fique acordado. Isso facilita o trabalho do profissional.

Em casos críticos  e raros é possível lançar mão da anestesia geral e a intervenção é feita em hospital. Já o pós-operatório ele é, bastante dolorido, provoca inchaço e dificulta a alimentação. Muitos acham mais seguro arrancar dois sisos por vez, de modo que um lado da boca garanta a mastigação. A questão é que a movimentação torna a recuperação mais traumática, motivo pelo qual há quem recomende resolver tudo numa tacada só.

Se a pessoa tirar dois ou quatro dentes, a dificuldade será a mesma. Não é melhor então sofrer uma única vez? Serão três ou quatro dias de molho, com alimentação pastosa, e pronto. Cabe ao paciente tomar a decisão que o deixe mais seguro e, seja ela qual for, o importante é não descuidar da higiene da boca nesse período. Deve-se optar por uma escova ultramacia e fazer movimentos suaves, usando também os antissépticos receitados pelo dentista.

Seres evoluídos

Alguns poucos sortudos nem tomam conhecimento dessa novela toda, porque simplesmente não têm os terceiros molares. Pela evolução natural humana, essa ausência está se tornando mais comum nas últimas décadas, sem que isso represente prejuízos funcionais ou estéticos. “O problema é quando apenas um deles não aparece. Nesse caso, o siso que surge ficará sem par na mordida. Assim, mesmo com espaço, é preciso removê- lo, já que não terá antagonista pra mastigar.

A regra de ouro, portanto, é acompanhar o crescimento dos dentes. Depois, o de sempre: escovação correta, fio dental mesmo naqueles mais escondidinhos e, claro, nada de fugir da visita ao odontologista. “O ideal é aparecer a cada seis meses. Se não for possível, pelo menos uma vez por ano.

Tenha juízo e o seu sorriso agradece !!!